Laser no Diagnóstico do Glaucoma

O moderno diagnóstico do glaucoma inclui a avaliação complementar utilizando a tecnologia do laser. O exame em questão é tomografia de coerência óptica (OCT). Para extrairmos a maior quantidade de informação importante para o diagnóstico e acompanhamento do paciente com glaucoma ou glaucoma suspeito é necessário fazer três investigações, três estudos dentro do OCT:

 

1 - Estudo do segmento anterior, ajudando na diferenciação entre glaucoma de ângulo aberto e fechado;

2 - estudo do disco óptico e da camada de fibras nervosas da retina;

3 - estudo das células ganglionares da retina, as primeiras células afetadas no glaucoma.

Em minha concepção é fundamental extrair o máximo da tecnologia que a OCT oferece em favor de um diagnóstico mais aprimorado do glaucoma. Por isso, recomendo que o estudo do ângulo da câmara anterior seja feito ao OCT em todas as pessoas que ainda não fizeram a cirurgia de catarata; virtualmente 100% das pessoas operadas de catarata tem o ângulo aberto após uma cirurgia bem sucedida. Por outro lado, as pessoas ainda não operadas podem ter diversas configurações anatômicas, o que pode dificultar algumas vezes a identificação correta do tipo de ângulo, aberto ou fechado ou mesmo uma graduação intermediária. Nesse sentido, nada melhor que um exame de imagem que auxilie neste importante diagnóstico, o qual pode mudar a conduta da pessoa suspeita ou com glaucoma. A seguir mostro dois casos extremos, os quais tivemos oportunidade de fazer a OCT glaucoma:

- Ângulo Aberto:

 

- Ângulo fechado associado a Íris em Plateau:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sou o criador do modelo diagnóstico otimizado para o glaucoma, conhecido como OCT em Pronoposição, decorrente de discussões a respeito de casos mais difíceis de glaucoma com meu colega e amigo Ricardo Leite, ao longo de 15 anos. Abaixo o artigo resumido:

OCT em Pronoposição: uma nova abordagem do glaucoma

O glaucoma é caracterizado por uma perda progressiva das células ganglionares e da camada de fibras nervosas da retina (CFNR, RNFL do inglês), na maioria dos casos relacionada a uma pressão intra-ocular acima do normal (1,2). A teoria vascular da fisiopatogenia do glaucoma nos diz que ocorre uma dificuldade de nutrição sanguínea na cabeça do nervo óptico quando a pressão ocular é maior que a pressão arterial a nível das artérias e arteríolas que irrigam o olho (3). 

 

De acordo com o formato do seio camerular, o glaucoma é dividido entre ângulo aberto e ângulo fechado (4). Classicamente já é conhecido que o glaucoma de ângulo fechado é mais agressivo que o glaucoma de ângulo aberto, por atingir níveis de pressão intra-ocular extremamente elevados, devido ao fechamento do seio camerular, principal estrutura de drenagem do humor aquoso. Dessa forma identificar o tipo do glaucoma é importante para a definição de conduta adequada.

 

O objetivo do presente trabalho é apresentar uma nova abordagem diagnóstica utilizando uma tecnologia já existente: a Tomografia de Coerência Óptica (TCO ou OCT). A inovação se encontra na forma de usar o aparelho do OCT. 

Algumas imagens do modelo diagnóstico otimizado:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A nossa habilidade foi conectar um conhecimento da década de 60 com a tecnologia atual da OCT a fim de aprimorar o diagnóstico do glaucoma, identificando mais precocemente aquelas pessoas com maior risco de desenvolverem cegueira por glaucoma. Abaixo, o imagem do modelo do teste da pronoposição proposto por Hyams, Friedman e Neuman:

 

 

Para uma leitura completa do artigo, aqui se encontra o link da publicação científica sobre o OCT em proposição; dentro do mesmo há a referência ao artigo de Hyams, Friedman e Neuman:

https://www.researchgate.net/

publication/329336693_OCT_in_Prone_Position_-_A_New_Approach_to_Glaucoma

Dr Honassys R Rocha Silva

Além dessa abordagem para a diferenciação do tipo de glaucoma, o uso clássico do OCT no glaucoma é através dos estudos do disco óptico e da mácula:

Estudo do disco óptico:

Escavações acentuadas sempre nos levam a suspeita de glaucoma, mesmo com todos os outros aspectos normais. Nesse caso o OCT mostra espessura da RNFL normal numa paciente diabética de 55 anos. Estatisticamente, discos ópticos grandes tem mais fibras da camada de fibras nervosas da retina do que pessoas com discos ópticos de tamanho normais. A perda progressiva destas fibras caracterizaria o glaucoma. Uma abordagem que utilize inteligentemente esta tecnologia seria o acompanhamento clínico anual complementado pela OCT; o exame em série pode nos fornecer maiores subsídios ao diagnóstico, inclusive contendo com novos recursos de inteligência artificial, o que, em nosso entendimento, aliado ao olho clínico de um médico experiente permite uma certeza diagnóstica próxima a 100%.

Dr Honassys R Rocha Silva

Estudo das células ganglionares da retina:

Dentro do espectro do glaucoma, as células ganglionares são as primeiras a serem afetadas pela doença; no estudo "Ganglion Cells" é medida a espessura da camada destas fibras na região da mácula. Abaixo um exame de OCT segmentado para melhor leitura destas células:

Dr Honassys R Rocha Silva